29 fevereiro 2008

Parabéns Recreativo do Cubal -Agosto de 1972



Domingo, houve carna­val no Cubal. Depois de um fim de prova algo enigmático o Recreativo do Cubal viu o título de campeão distrital asse­gurado ao derrotar no seu reduto o Sporting do Lobito por 4-0. A turma vencedora que jogou co­mo um verdadeiro cam­peão, viu no final do en­contro a cidade em peso tributar-lhe estrondosa ovação. Estalaram foguetes. Houve serpentinas! Bandeiras e mais bandei­ras! Uma volta de honra debaixo de delirante aclamação. Camisolas no ar e jogadores em ombros.
Um infindável cortejo automóvel em dia de au­têntico carnaval.
Parabéns Recreativo do Cubal e boa sorte no Provincial.
in "Semanário Sul" 12 de Agosto de 1972 Edição nº 88 -3ª Série

26 fevereiro 2008

"Semanário Sul" 06 de Maio de 1972 - E a "bomba" estoirou no Cubal. (O nosso "apito dourado" ?)


1.
2.
3. Aspecto da manifestação junto à Sede do Recreativo do Cubal




Desporto, essa sã pa­lavra, foi atraiçoada pe­las altas esferas da pro­víncia. Atitude consciente? Impossível.
Decisão apoiada em falsos testemunhos, sem procurar provas com «sumo» e que ditaram uma infeliz determinação: Irradiação de dois futebolistas do Recreati­vo do Cubal.
A “bomba rebentou” no Cubal já há duas sema­nas. O nosso jornal não «alinhou» em sensacionalismos. Mas a verdade dos factos é tão pura, que entendemos ser nos­so dever entrar no assun­to, apesar de estar em causa uma pena máxima de irradiação para dois atletas que de corpo e alma se dedicam ao des­porto Rei. Está muito mais além o facto de ter sido tomada uma decisão por pessoas altamente responsáveis, sem provas básicas e reais que tal atitude justificasse. Se as penas tivessem justificação a bom grado a cidade aceitaria os castigos aplicados. Mas, NÃO! E é por este não, pela falta de verdade, de honestidade, de nobreza e pelo ex­cesso de orgulho pessoal de uma ou de outra pessoa que não teve cora­gem de desdizer algo, que sem pensar possa ter afirmado; e que assim induziu em erro os emi­nentes julgadores, que nós aqui estamos!
E note-se, só viemos depois de auscultar deze­nas de pessoas que assistiram no Campo Eng.° Raimundo Serrão ao en­contro de futebol entre o Recreativo do Cubal e Sporting de Benguela o que deu aso a tão tristes acontecimentos os futebolistas do Cubal estão dis­ciplinadamente revoltados. E estão revoltados só por­que os castigos aplicados aos jogadores Porto e Bibesinho, não foram justamente julgados. E perguntam: em que bases assentaram os mem­bros que fizeram, o jul­gamento para aplicar as penas de irradiação anunciadas? Num inquérito mal feito? Nas informa­ções de um árbitro que praticou erro sobre erro e que no final, completamente desorientado, preenche um boletim de jogo? Justiça, essa nobre palavra, não pode ser palavra vã!
A nossa reportagem, no Cubal, ouviu dezenas de adeptos do desporto.
A repulsa é enorme! Gravamos muitas deze­nas de metros de fita magnética. Ouvimos muitas e muitas pessoas. Umas mais exaltadas e mais facciosas. Outras mais calmas e conscien­tes. A nossa missão in­formativa teria que ser imparcial.
Um dos depoimentos, foi de António de Matos Carrasqueiro: A par da nossa ideia e do assunto que a ela presidiu, disse-nos:


4.O Ex-Presidente do Recreativo, Matos Carrasqueiro, depõe.



«Fui durante o ano fin­do Presidente da Direc­ção do Recreativo do Cubal. Ao ter tido conheci­mento dos castigos que foram aplicados aos jo­gadores Valdir, Telmo e Canais, fiquei deveras entristecido pois elees eram por si só uma in­justiça. São três homens absolutamente correctos e educados. Estou certo que qualquer árbitro ou elemento da nossa Asso­ciação pensa da mesma maneira. A suspensão dos jogadores Montez, Bibe e Porto causaram-me admiração, mas aguardei o desfecho. Veio o resultado. As ir­radiações de Porto e de Bibezinho são para mim uma completa e grande injustiça e uma enorme traição à moral desportiva. O senhor inquiridor escolheu a dedo as pessoas que quis ouvir para formar o inquérito. Acaso só ouviu directores de clubes neolisboetas sobre autênticas «barracadas» em que apitou o Senhor Duarte de Carvalho? Vi o jogo do Lobito. Se a alguém seria bem aplicada a irradia­ção, ela teria recaído sobre o árbitro do encontro. Ele, sim. Merecia a irradiação. Falta de conhecimentos t técnicos, falta de personalidade nos julgamentos patenteando um complexo nevrálgico e por fim, e ainda por cima dotado de uma falta de honestidade, flagrantíssima. Mas não fica por aqui! Num desafio em que a equipa do Cubal participou, esse senhor árbitro (perdão) esse ár­bitro, foi, não sei porquê, apupado por uma parte da assistência,tendo no final afirmado que o Cubal haveria de pagar. E a vingança surgiu, como se vê nesse jogo contra, o Sporting de Benguela. Os meus agradecimentos ao Quim Costa, ex-joga­dor treinador dos «leões» de Benguela pelo desassombro das declarações que prestou ao Rádio Clube de Benguela afir­mando total repulsa pela decisão final tomada. Mas este senhor, teste­munha ocular de tudo o que se passou no campo, não teve interesse em ser incluído no tal inquérito fantasma! E ao «Sul», os meus agradecimentos por me ter facultado es­tas declarações».
Depois, Rodrigo Guer­ra, Director do Emissor Regional do Cubal e nos­so camarada de Impren­sa foi também abordado.



5.Rodrigo Guerra opina.



Disse-nos: «Não assisti ao jogo pelo que não me posso pronunciar acerca do que se teria passado e ajuizar sobre a tão cri­ticada decisão da Asso­ciação Provincial no que se refere a penas aplica­das». Por se tratar de pessoa que está sempre em «campo», insistimos e então, o popular Bibito, abriu-se, dizendo:
«Ouvi comentários de pessoas que assistiram ao encontro e que, embora divergindo num ou noutro ponto, foram sempre concordes e acervos no tocante à actuação do árbitro da partida
apontando-o como prin­cipal responsável pela situação gerada. As de­clarações prestadas por Quim Costa, ex-treinador jogador do Sporting de Benguela, pessoa idónea e abalizada, em que afir­ma ter o jogador Porto colaborado com ele no sentido de acalmar os ânimos mais exaltados, vêm agora trazer-nos a certeza que efectivamente algo ficou por escla­recer. Por outro lado, declara o Senhor Tesourei­ro da AFB que foi infor­mado da falta de segu­rança do árbitro ao pronunciar os nomes dos jo­gadores ditos implicados que até, tendo já indica­do quatro nomes a um director do Recreativo, os substituiu por outros posteriormente. Tudo is­to me leva a crer, por­tanto, que muito falta esclarecer em abono da verdade.
«Aliás, Telmo, Canais e Valdir, jogadores mui­tíssimo correctos e pos­suidores de um grau de cultura de certo modo elevado, foram também injustamente punidos. Mas, estas irradiações são inadmissíveis. «Sobre o comportamento do árbitro Senhor Duarte Carvalho, nada posso afirmar, pois como já disse não assisti ao jogo. Mas, é facto que infelizmente em Angola não podemos contar com número suficiente de ár­bitros à altura pois é frequente verificarmos irregularidades de arbitragens que atribuiremos à incompetência, favoritismos, falta de perso­nalidade, etc. O que é facto é que o esforço de 22 homens não pode con­tinuar a ser jogado a bel prazer de árbitros e seus coadjutores, como uma bola de praia nas mãos de crianças! Esta é uma situação a que urge pôr cobro sem demora, sob pena de se ver destruída uma melhor hipótese de vida futura no nosso futebol. Há por exemplo um Luciano Calado e um Francisco Serra (sem desprestígio, para outros possíveis árbitros do nosso distrito de igual gaba­rito) que sabem conduzir uma partida com marca­da personalidade. Cabe às Associações, pensar desta maneira.
«Voltando ao assunto terminou por nos dizer: «Penso que o inquérito que ditou as penas de irradiações aos jogado­res Porto e Bibezinho, foi mal feito, por inten­ção. Esclarecendo outros pontos, a sentença teria sido bem diferente.

E a nossa reportagem prosseguiu.
Humberto Carvalho da Silveira, funcionário ca­marário e membro do Departamento de Fute­bol do Recreativo, foi por nós abordado variadas vezes tentando sempre esquivar-se. Depois de muito instado, declarou:
«Que mais poderei di­zer deste caso que tanta tinta já fez correr?
«Que o futebol em An­gola caminha para o des­calabro porque os seus responsáveis que eu con­sidero irresponsáveis — só querem «penacho»?
«Que protegem escan­dalosamente meia dúzia de Clubes das capitais?
«Que continuam a per­seguir os chamados «clubes do mato» com receio que surja um novo «Inde­pendente» que domine tudo e todos nos rectân­gulos de jogo?.
«Que o Recreativo do Cubal, este ilustre des­conhecido não pode pros­seguir na sua carreira triunfal pois é inadmissí­vel que com apenas três anos de actividade, tenha conquistado contra todos os vaticínios e desejos, o Campeonato Distrital?
«Que, não pode con­quistar, porque não lhe permitem esse direito, um lugar ao sol, que mancharia os pergami­nhos dos meninos boni­tos a quem tudo é permi­tido?
«Que, é pertinente perguntar porque não foram irradiados os jogadores que cometeram agressões em Nova Lisboa, nos Coqueiros e noutros campos da Província, só porque única e simples­mente estavam em causa as tradições dos intocá­veis ?
«Que, se deviam fazer exames psicotécnicos aos árbitros, quantas vezes quase analfabetos e que se interessam unicamen­te pela gratificação que recebem?
«Que, porque a Direc­ção do Clube e a própria população cubalense considera injusta ,triste e lamentável a situação cria­da, todos em uníssono irão até onde a Lei lhes permitir?
E muitos mais QUÊS, tinha Humberto Silveira para nos dizer, mas...
Com gravadores, flash e máquinas a nossa re­portagem continuou.

FALAM AS GRANDES VITIMAS, BIBESINHO E PORTO!
6.O jogador "Porto" mostrou-se surpreendido com a sua irradiação.


7.O guarda-redes Bibesinho, espera apenas que seja feita justiça.

O número um e o número onze de uma equipa de futebol. O guarda-re­des e o extremo esquerdo.
João Carlos Manuel (Bibesinho) começou por nos dizer que se iniciou nos juniores do Portugal. Em 1971, mudou de ares e veio para o Cubal, onde foi campeão distrital.
Perguntámos-lhe como estava a sua ficha na Associação. Respondeu--nos: «Completamente limpa, até este caso. Nunca fui castigado».
Sobre o jogo que deu origem aos castigos, dis­se-nos que no final dos noventa minutos regulamentares foi dos últimos jogadores a dirigir-se às cabines, por ser até o que estava mais distanciado, no seu posto, na baliza. Ao passar a vedação e ao dirigir-se para as cabines, viu público a discutir com o árbitro e talvez até a agredi-lo. Mas, cônscio das suas responsabilidades seguiu o seu caminho, ouvindo entretanto, o fiscal de linha chamar a atenção do árbitro indicando o número um (o número da sua camisola) como um possível agressor. Já nas cabines, e como teria de haver prolongamento, teve conhecimento pelo treinador do Recreativo que não podia continuar em campo, porque havia sido expulso. Admirado, acatou a decisão. Ficou admirado com a suspen­são, e agora, absoluta­mente incrédulo ao ter conhecimento da pena de irradiação que lhe foi aplicada.
Insistimos: Mas a que atribui o motivo porque o árbitro do encontro indicou no Boletim, cul­pabilidade sua?
Cabisbaixo, respondeu -nos: «Questão de azar! O senhor árbitro não pode reafirmar com verda­de qualquer falta da mi­nha parte. A sua cons­ciência não pode estar tranquila. Nada fiz para que me fosse aplicada tal pena ou qualquer outro castigo. Nunca lhe faltei ao respeito. É possível que tenha sido agredido por qualquer elemento da assistência, mas para isso lá estava a PSP pa­ra testemunhar, mas por mim ou por qualquer ou­tro colega, não foi concerteza. Para condenar é preciso provas. Pergunto só: se ninguém pode testemunhar qualquer ofensa verbal ou corporal é possível que pessoas responsáveis me tenham castigado? Com o devido respeito, por isso conti­nuo calmamente a con­fiar na consciência dos homens que nas altas es­feras dirigem o desporto.
Porto, estava com pressa. A hora do treino aproximava-se, e ele confiante, lá está sempre. Confirmou as palavras do seu colega e disse: «A minha irradiação, foi uma decisão totalmente absurda. Durante to­do o jogo acatei disciplinadamente todas as resoluções tomadas pelo Se­nhor árbitro. Até ajudei a que os meus colegas as acatassem também. Fiquei admiradíssimo quando soube que ia ser sujeito a um inquérito e mais ainda perplexo até, ao ter conhecimento da pena que me foi apli­cada. Estou convencido que o próprio senhor ár­bitro não soube bem o que escreveu. Havia mui­tos nervos, o público muito «quente» e o se­nhor árbitro estava desorientado. E eu fui a vítima». Lamentando-se, e a terminar disse-nos:
« Espero e confio na justiça dos Homens.
Depois já quase noite, no Estádio Municipal, ouvimos o velho Zé Ma­nel um nome que todo o Distrito de Benguela conhece e que actualmente é o responsável pelo team cubalense. A quei­ma roupa, perguntámos-lhe: Que pensa das penas de irradiação aplica­das aos jogadores Porto e Bibesinho?


8. Zé Manel, o treinador confia


Respondeu-nos:
«Vi o jogo e apesar de depois deste terminado ter conhecimento das declarações feitas pelo árbitro no boletim, nun­ca me passou pela cabeça que pessoas responsáveis pudessem ter a leviandade de aplicar a duas penas de irradiação que estão em causa aos jogadores Porto e Bibesinho (Car­los Manuel).
«O senhor árbitro Duarte de Carvalho pa­tenteou plenamente não possuir as mínimas con­dições para dirigir um encontro desportivo. Ele próprio levou os jogado­res de ambas equipas a cometerem actos de indisciplina, quer admi­tindo entradas às mar­gens das leis, quer em não acatar as suas deci­sões. Ele estragou o jogo e no final foi vítima do público exaltado. Os jo­gadores depois foram as vítimas. Estive sempre perto dos jogadores do Cubal, portanto também dos dois jogadores agora injustamente irradiados e posso afirmar que ne­nhum deles agrediu o ár­bitro. Considero este fac­to, as irradiações, PURA INJUSTIÇA.
Perguntámos depois: Que pensa das possibili­dades da equipa cubalen­se na presente época?
«Lutaremos pela con­quista de um lugar cimei­ro que nos faculta a en­trada na primeira divi­são.




8.O Presidente do Conselho Fiscal, Jorge Paulista, usando da palavra em resposta a centenas de cubalenses presentes na manifestação.


Mas na cidade cheira­va a esturro! Uma enor­me manifestação estava preparada. E efectiva­mente, no domingo pela manhã, muitas centenas de pessoas, muitas delas empunhando dísticos alusivos ao assunto tais co­mo
CUBAL CAMPEÃO DISTRITAL PEDE JUS­TIÇA — REPUDIAMOS A DECISÃO DA ASSOCIAÇÃO PROVINCIAL DE FUTEBOL — POR­TO E BIBESINHO VITI­MAS DE INJUSTIÇA etc., se agruparam em frente da varanda do Clube Beneficente e Re­creativo do Cubal, manifestando o seu desagrado pela injustiça feita aos dois atletas e pedindo à Direcção do Clube que não se conforme e que insista até onde for ne­cessário até que consiga que a decisão seja alte­rada e que justiça seja feita.
Nós vimos isto tudo! E sinceramente, racioci­nando que onde há culpa não há força, somos cultos a pensar que as cen­tenas de pessoas ali presentes das quais muitas dezenas assistiram ao jogo do Lobito, têm a razão por «seu lado. E esta gente, onde o suor e o sol queima as faces, não se conforma com injus­tiças.



Artigo extraído do "Semanário Sul" 06 de Maio de 1972 e escrito por Gil (JUGIBA)

Compilado por Ruca, para http://cubal-angola.blogspot.com/


25 fevereiro 2008

Cubalenses

1.Eu (Isilda) e a Guilhermina ( Hina - filha do Prata CFB ) - 1959
2.São Múrias
3.Eu (Isilda) e o Nelo( Lago Bom)
no baptizado do Zé Prata ( nosso afilhado) 1970
*********************
Ruca :
Mais umas fotos , para enriquecer as recordações dos cubalenses...gostei de ver tudo o que lá está de novo . Parabéns pelo empenhamento e um abraço para o Sr. Gil e Dª Celeste
Isilda

24 fevereiro 2008

Imagens que nos habituámos.

1. CAFE LIMA -Reparem no pormenor .." as donas de casa"...
2. GELADOS PICA PAU
3. ÁGUA DO JOMBA -
Para auxiliar a digestão de uma boa moamba, acrescento eu.
4. NOCTURNO 72

Apesar de não serem originárias do Cubal, estas imagens estão-nos na memória . A mim, transportam-me no tempo, à minha meninice....

Ruca

MISS FINALISTA DO CUBAL

Isabel Vieira - Miss Finalista do Liceu do Cubal
MISS FINALISTA DO CUBAL

Os finalistas da Secção Liceal do Cubal, realizaram no último fim de semana o seu habitual baile e elegeram a sua Miss Finalista. Um dos rostos mais lindos da cidade: Isabel Vieira.
Uma «senhora» Miss!

in "Semanário Sul" Março de 1972

Renato e Dias, já são do Recreativo do Cubal

RENATO E DIAS JÁ SÃO DO RECREATIVO DO CUBAL

Renato, o popular futebolista ex-portucalense, já esteve no Cubal. Recebido com alegria, pelos novos colegas de equipa, dirigentes e adeptos do Recreativo. A nossa reportagem contactou com o novo reforço cubalense, que começou por nos dizer: «Depois de 13 anos no Portugal de Benguela, mudei agora de camisola. Tenho 26 anos, considero-me ainda bas­tante novo e prefiro o lugar de ponta de lança».
— Satisfeito por vir para o Cubal ?
— Sim. Pelo que me tem sido possível constatar a camaradagem é excelente e considero sensatos to­dos os elementos directivos e por todos tenho sido cumulado de gentilezas.
Perguntámos depois: — Falam-se em várias dezenas de contos, movimentados com a sua trans­ferência. Que nos diz sobre isso?
— Desculpe, mas só lhe posso dizer que consi­derei benéfica a transferência e por isso vim.
— Pensa que o Recreativo fará boa figura no próximo Campeonato?
— Sim. O Recreativo tem equipa para poder singrar no futebol a nível Provincial. Tenho espe­ranças que na próxima época, mostre o seu real valor, alcançando uma melhor posição ainda, do que na últi­ma época, em que fez «furor», pelo menos no nosso Distrito. Mas para isso é preciso trabalhar-se muito e haver compreensão das gentes da cidade, dos ele­mentos directivos e dos próprios atletas. Só com todos estes requisitos e um amor grande à camisola os homens de Porto Alexandre conseguiram o Tri. Este ano, o Cubal terá uma palavra a dizer! Com o sacrifício dos atletas e dirigentes pode a massa asso­ciativa contar! Nós esperamos da população, carinho e compreensão.
— Renato, você tem as colunas do «Sul» à sua disposição. Quer dizer mais alguma coisa?
— Sim. Agradecer a vossa amabilidade, desejar as maiores venturas para o vosso Jornal, pedir a continuação da vossa presença em tudo que se rela­cione com Desporto, e saudar a população associativa do meu novo Clube e Direcção agradecendo a confian­ça que em mim depositaram.


RENATO JÁ COM A CAMISOLA DO CUBAL



DIAS, guardião de largos recursos, também no Cubal

DIAS UMA BOA AQUISIÇÃO DO RECREATIVO

O «porteiro» DIAS, até aqui também radicado em Benguela. Elemento de valor e que veio preencher uma lacuna em aberto na equipa do Recreativo cuba­lense. Disse-nos da sua satisfação por vir para o Cubal e augura à equipa um positivo «brilharete» na época que se avizinha.
E nós acrescentaremos mais um: Um craque vindo de um Clube da primeira Divisão metropolitana será mais um magnífico reforço para os campeões Distritais. Oportunamente, dele falaremos.


JUGIBA - Júlio Gil Barros
in "Semanário Sul" - Março de 1972

Verdadeiros amigos do Cubal

O Cubal e os cubalenses têm verdadeiros amigos!
Hoje mesmo, recebi o email que transcrevo abaixo, remetido pelo Jesús Laguardia e que me enche de alegria. Vamos esperar pelos testemunhos recentes que aí vêm, para os poder partilhar entre esta Comunidade que tanto ama o Cubal.

*************************
********
****
Amigo Rui,
buenos días!!
Tal como acordamos, ayer sábado día 23 de Febrero te he enviado un paquete postal a tu dirección de Lisboa. Podrá estar en destino la última semana de Febrero. He incluido los tres CD con fotografías de Cubal que a través del Ayuntamiento de Irún (ellos han colaborado y estado con nosotros en Cubal para apoyar los trabajos allí reslizados) he conseguido agrupar. En éllos están todas las fotografías que obtuvimos el grupo. También te he adjuntado un ejemplar escrito del informe que ya conoces.
Un cordial saludo.
Jesús.

21 fevereiro 2008

Novos testemunhos do Gil

Há dois dias atrás, recebi um telefonema.
"... Ruca... é o Gil ! Passa pela minha loja ! Já cá tenho mais testemunhos sobre o Cubal, para colocares no nosso blog!" (...)
Hoje lá fui ter com o nosso Gil (Foto Lig), que nos presenteia com diversos testemunhos sob a forma de revistas. Quem não se lembra do "Semanário Sul", "Notícia", "A Palavra", e a "Lista Telefónica Alfabética do distrito de Benguela", onde, naturalmente , estão os diversos assinantes do Cubal. Que emoção forte senti, juntamente com a Dª Celeste e o Gil , ao vermos os diversos nomes dos Cubalenses e empresas do Cubal.
Nas revistas, são diversas as noticias sobre o Cubal. Suas misses, seu Clube de Futebol, etc .etc.
Todo este material irei ordená-lo, digitalizá-lo e colocar à disposição de todos, na partilha que se pretende no nosso blog.
Uma vez mais, aqui fica a gratidão dos Cubalenses ao Gil.
Quanto aos Cubalenses e amigos do Cubal que nos vêm por este Mundo fora, preparem-se para alguma leitura e fotografias do principio dos anos 70.
O Gil é o exemplo que eu gostaria que todos seguissem. Este é o desafio que, continuamente, coloco a todos os amigos do Cubal. Aceitem-no e verão a satisfação que vos proporcionará!
Saudações
Ruca

17 fevereiro 2008

Cubalenses

1. Elza Vilarinho
2. Celeste Vilarinho
3.Firmino e José Vilarinho com Noémia e ....
4.Manuel Vilarinho

Cubalenses

1 Arminho Vilarinho
2. Áurea .
"Livraria Áurea"
3. Avó Maria
4.Beto
5. Carla
A Márcia, envia-nos fotos de "ontem" e de "hoje" relativas à família Vilarinho ... tal como diz (...)
Umas no Cubal outras actuais. Infelizmente algumas pessoas já não se encontram entre nós tal como o meu avô Francisco e os seus dois filhos Firmino e José Vilarinho e respectivas mulheres. (...)
***********
Obrigado Márcia.
Continua a enviar testemunhos! Já sabes o convite é extensivo à restante família.
Beijos
Ruca

10 fevereiro 2008

São Valentim - Declaração de uma comunidade.

Esta é a semana de São Valentim.
O Santo que dá nome ao Dia dos Namorados.
Em muitos países, a 14 de Fevereiro.

Porque neste blog também é revelada uma "paixão",
aqui fica, uma vez mais, uma declaração de amor eterno.
Um amor partilhado por uma comunidade.
Um amor saudoso, mas não saudosista feito de testemunhos que
nos levam para outros espaços.

Mas como em todos os amores,este não foge à regra e precisa ser continuamente estimulado.

Como a flor precisa de ser regada com frequência, também este precisa ser alimentado por todos, que efectivamente são apaixonados pelo Cubal.

Daí o meu contínuo convite:

Alimenta este blog com testemunhos da nossa querida Cidade de Cubal.

Envia-me para que sejam publicados.

Não deixes que a paixão esmoreça.

Um abraço

Ruca