27 outubro 2010

Momentos de convívio de outros tempos no Cubal

Para além do José Viana, quem mais surge nas imagens?

23 outubro 2010

Convite de Casamento em 01 de Setembro de 1973


Elza e Quim
Casamento em 01 de Setembro de 1973, pelas 12 horas, na
Igreja do Sagrado Coração de Jesus, no Cubal

Cubalenses - Casamento da Elza e Quim

Meus pais (Júlia e Raúl) no casamento da Elza e Joaquim

Convite de Casamento em 01 de Setembro de 1973 - Cubal


Olga Maria Faria de Sousa
Manuel António Reis
Casamento em 01 de Setembro de 1973
Cubal, na Sé Catedral do Cubal, pelas 15,30H

Três residentes do Cubal apontam necessidades e aspirações



Rodrigo Guerra (Bibito)

Humberto Silveira, chefe de secretaria da Câmara Municipal

António Teixeira da Costa - enfermeiro

Publicidade a
Mário Rodrigues Fernandes

No decurso da nossa reportagem na bela cidade do Cubal, resolvemos auscultar a opinião abalizada de três residentes, situados em sectores diferentes, para aquilatarmos e aferirmos do encontro ou desencontro de opiniões.
Assim, começamos por ouvir o Sr. Humberto Silveira, chefe de secretaria da Câmara Municipal daquela cidade, a qual formulamos a pergunta comum:
— No seu entender, quais as necessidades e aspirações mais prementes da cidade do Cubal?
— Há uma necessidade absoluta: a criação de um Liceu, com os 2º - 3º ciclos, atendendo ao elevado número de alunos que, cada ano, concluem o ciclo preparatório. Também seria de toda a conveniência a construção de um aeroporto, que permitisse à DTA o estabelecimento de carreiras aéreas, pelo menos bissemanais, atendendo às necessidades cada vez mais prementes das deslocações rápidas — e muito mais nesta Angola imensa, onde as distâncias são medidas por centenas de quilómetros e muitas vezes por estradas de mau piso. «Uma outra necessidade seria a elevação dos Serviços Notariais de molde a permitir a celebração de escrituras e contratos, etc.
«No campo das aspirações, muitas há! A criação do distrito do Cubal, com sede nesta cidade; a criação da comarca; a construção de um complexo hoteleiro, com os requisitos necessários ao conforto e comodidade; a construção de um cinema funcional; a conclusão do Estádio Gimnodesportivo Fernando Vilares e a do Estádio Municipal e... tantas outras.
A mesma pergunta agora feita ao Sr. Rodrigo Guerra, que nos disse;
— Necessidades e aspirações são duas coisas diferentes embora vulgarmente se confundam. Por exemplo, temos as ligações rodoviárias, aspecto este em que o Cubal tem sido, de certo modo, desprezado. As estradas do concelho estão, de uma forma geral, em muito mau estado. As ligações Cubal/Caluquembe e Cubal/Lobito/Leste, de que muito se tem falado, continuam a não passar de intenção... O prejuízo que daí vem para a Economia da região é considerável por falta de vias de comunicação rodoviária e em boas condições. Parece paradoxal que a JAEA apenas tenha a seu cargo a estrada Cubal/Coporolo, com cerca de 80 km e em muito mau estado, e a restante rede (manutenção e construção de outras) a cargo do Governo do Distrito, que não dispõe de máquinas suficientes para a sua conservação, quanto mais para abertura de outras muito necessárias!
«Um campo de aviação, por incrível que pareça o Cubal, que desde os tempos de pequena povoação possuía o seu campo de aviação, não o tem agora.
«Reordenamento rural, um outro problema, pois milhares de indivíduos trabalhadores e suas famílias, habitam em bairros que mais não são que amontoados de pequenas e inestéticas barracas disseminadas sem qualquer ordem pela periferia da cidade. A condições de habitabilidade são praticamente nulas. Impõe-se, pois a necessidade da construção de mais bairros e em locais próprios. «Uma Associação Económica é uma das necessidades do Cubal. As centenas de actividades comerciais, industriais e agrícolas da região têm de estar à mercê apoiadas numa entidade que de perto sinta os seus problemas e os transmita superiormente por forma cônscia, colaborando com a administração pública na procura da melhor solução.
«Um parque infantil nos tempos que correm, já não é um luxo mas uma necessidade imperiosa. As crianças devem merecer todo o carinho das gentes que estão à frente dos destinos de uma cidade. No Cubal a criança não tem entretimentos adequados. Foi simples e puramente esquecida. Mas ainda estamos a tempo de remediar esse lapso e a construção de um parque infantil é coisa que deve ser encarada com simpatia.
"Iluminação pública também é deficiente, muito embora já se tenha feito alguma coisa neste campo. O crescimento da cidade não dá força à Câmara, que tenta remodelar a rede de modo a proporcionar ao Cubal a iluminação que uma urbe exige. Esta é uma das aspirações.
« Abastecimento de água, este um problema em vias de ser resolvido e ainda bem. Talvez que muito em breve o assunto esteja solucionado pelo menos tecnicamente, já o factor quantidade só à Natureza pertence...».
Por fim ouvimos o Sr. António Teixeira da Costa enfermeiro :
— Em primeiro plano e no meu entender, pois também estou a sofrer as consequências, é a falta de água. Este problema, que reputo de capital importância para a sanidade da cidade e higiene da população desde há muito que poderia estar resolvido e só o não está porque outros de somenos importância têm prendido as atenções de quem tinha por obrigação de dar prioridade a tão grave problema.
«Ainda há outros problemas por resolver e que julgo deviam merecer a atenção do município, tais como: acabamento da rede de esgotos e da asfaltagem das ruas da cidade; acabar-se com a construção do campo de aviação, há tanto tempo já iniciado mas que acabou por ficar à disposição dos mosquitos, praga de que a cidade é muito fértil. Também as crianças residentes nesta cidade têm necessidade de um parque Infantil, que é coisa que não há, onde possam passar umas horas de recreio a coberto de quaisquer riscos. Existe de facto um arremedo de um parque, mas desprovido de baloiços e de outros acessórios necessários à brincadeira da miudagem.
«E para já é tudo o que se me oferece dizer-
*********
Testemunhos digitalizados cedidos por Ana Catarina Monteiro (Narciso)
Transcrição do texto e manipulação das imagens: Ruca http://cubal-angola.blogspot.com/

Claudete Conceição Corte Real


Claudete com 4 anos
Cubal 08.Setembro 1964


22 outubro 2010

Cubal, hoje - Cidade em Progresso! - nova página do nosso blogue

Caros amigos,
Temos mais uma novidade no nosso blogue. 
Conforme articulado com residentes e amigos no Cubal, havia a necessidade de termos também um espaço para o Cubal actual. Já alguns contribuidores enviaram testemunhos, estando os mesmos publicados. 
O blogue está ainda em construção, pelo que se aceitam sugestões de TODOS os cubalenses, visando a sua melhoria.
Foi assim criado o Cubal, hoje - Cidade em Progresso! onde serão publicados testemunhos, eventos, notícias do Cubal nos dias de hoje.
Contaremos com a colaboração de cubalenses residentes e que amam o Cubal e de todos aqueles que não habitando actualmente no Cubal já tiveram oportunidade de beber água desta Terra.
Sempre que alguém visitar a Cidade do Cubal e pretenda partilhar as suas fotos, serão também aqui inseridas.
Participem TODOS!
Obrigado
Rui (Ruca)

19 outubro 2010

Cubalenses - família e amigos de Cilinha Gonçalves (Cila)

1
Antonio Gonçalves Costa, que era maquinista do CFB

2
Cilinha, Betinha Azevedo e Tó Flórido

 3
O
 meu pai, António Gonçalves Costa, minha irmã Nela, minha mãe Lucília (de vestido branco),
 D. Edémia Ferreira ( vizinha ), eu (Cilinha) e Zé

Delta e filhotes

4
eu e minha irmã

5
 Meu pai de camisa escura, minha irmã do lado direito da foto, o Amilcar que está dobrado ao pé de mim, as outras pessoas que me desculpem mas não me lembro dos nomes

6
Meu pai do lado direito da foto, não sei quem são os outros
******
Sou  filha de Antonio Gonçalves Costa, que era maquinista do CFB, infelizmente falecido e filha de Lucilia J G, também estive no Cubal até aos meus 16 anos, não me lembro de ninguém pois estão diferentes como eu estou, mas do Cubal não me esqueci de nada é bom ver fotos de lá para matar saudades. 
Um grande beijo para todos os Cubalenses.
Cilinha (Cila) Gonçalves

16 outubro 2010

Homenagem a um grande Presidente da Câmara Municipal do Cubal - FERNANDO DA SILVA VILARES

Na " contabilidade" da Vida ... Gratidão não admite débito
BOLETIM CULTURAL DOS SERVIÇOS CULTURAIS DA
CÂMARA MUNICIPAL DO CUBAL
Boletim nº 4 de Novembro de 1973





Artigo assinado pelo, também saudoso amigo, Nuno de Menezes
http://cubal-angola.blogspot.com/2007/11/homenagem-ao-nuno-de-menezes.html
NA «CONTABILIDADE» DA VIDA...GRATIDÃO NÃO ADMITE DÉBITO

As gerações vivem o mesmo caminho, aquele mesmo caminho que deixa os ho­mens passarem, para só depois e mais tarde, incompreensivelmente, surgir então a chamada «homenagem póstuma»; rebate de consciência pagando ainda que tardia­mente, o quanto se deve a alguém.

Pensam ainda os homens (esses mes­mos que fingem não conhecer o valor dos homens), como um recalque sem peso nem medida, que existe o chamado receio do ferir «a modéstia» de cada um, como fuga de um merecimento, pois que na verdade, essa mesma «modéstia» não é nestes casos, mais que um brazão nobre de quem cumpriu e soube ser.

A Cidade do Cubal, esta terra “que cresce e aparece”, tem no livro de “conta­bilidade” do seu tempo, em aberto, um lançamento a fazer na coluna da GRATI­DÃO, para saldar uma dívida.

Trazer aqui o nome de FERNANDO DA SILVA VILARES, mais não que para nós o acordar de uma justiça, pelo muito que com ele está relacionado todo este grito de progresso com que nos ufanamos hoje.

Corria o ano de 1951, quando FER­NANDO VILARES, chegou a esta terra. Na sua bagagem, apenas o seu curso de topografo, e a força indómita e rebelde, num desejo duro, de fazer para si o que poderia dividir com os outros. Irrequieto e possui­dor de um volume enorme de desejo ar­dente, difícil não lhe foi escolher o árduo e difícil caminho, não se negando a cum­prir o que sonhara o renascer de uma cidade.
Foi então que, gratuitamente dá a sua preciosa colaboração profissional ao Muni­cípio, até 1962, data em que passou a aven­çado.
Chamado à primeira casa da terra, aí se firma como Vereador atento e combativo, de 2 de Janeiro a 31 de Outubro de 1967, sendo a 1 de Novembro do mesmo ano a 18 de Outubro de 1968, tomado a cadeira no exercício da presidência, passando a primeiro munícipe a 19 de Outubro de 1968, cargo que ocupou atentamente e irrepreen­sivelmente até 14 de Março do corrente ano.

Passar a pente miúdo toda uma obra que deixa legada a esta cidade, pois que a FERNANDO DA SILVA VILARES lhe cabe grande parte do ser para ser o que será, basta nomear ou enumerar:

Todo o vasto complexo do abaste­cimento de água à cidade, captação, armazenamento,   estação   de   tratamento e distribuição;
Remodelação da rede de baixa ten­são;
Construção da rede de alta tensão e postos de transformação;
Implantação do Plano de Urbani­zação;
Construção do Mercado Municipal, Estádio Municipal e os actuais Pa­ços do Concelho;
 O actual repovoamento florestal, que muito veio valorizar a actual lagoa do Unge, onde longe não virão os dias será ponto de encontro como cartaz turístico.

E tantas outras obras que ficaram no silêncio, como seja a sua assiduidade e presença nos diversos sectores camarários, como hoje acontece como Chefe da 2ª Repartição do nosso Município.

Não foi por acaso que trazemos para esta edição deste nosso BOLETIM, a sua presença, mas num merecimento pleno de razão e força, a dizer a quem quer que seja mesmo à surdez incompreendida, que o nome de FERNANDO DA SILVA VILARES, merece hoje, para que hoje fique no ama­nhã, ligado a esta terra que é afinal a sua cidade CUBAL. “a cidade que cresce aparece”.
Gentes do Cubal:
Paguemos   a   nossa   dívida   de   GRA­TIDÃO

Porque não HOJE, a rua, a praceta “FERNANDO DA SILVA VILARES”, a perpetuar o AMANHÃ?

NUNO DE MENEZES (Novembro de 1973)

Entrevista ao Presidente da Câmara Muni­cipal, Fernando da Silva Vilares e SISAL Símbolo dinamizador da cidade do Cubal

Prossegue a publicação no nosso blog, de documentos históricos da nossa Cidade, facultados pela Ana Catarina Monteiro (Narciso).   
Uma vez que a entrevista, no contexto histórico e da época, é interessante para nos (re)lembrarmos de alguns momentos que marcaram o desenvolvimento do Cubal, e temendo que se tornasse de difícil leitura, transcrevi a reportagem . Espero que apreciem. Mais uma vez agradeço à Ana Catarina, a partilha destes documentos extraídos do Semanário Sul. Ruca

SISAL
Símbolo dinamizador da cidade do Cubal




Cubal moderno

Aspecto moderno do Cubal

Edifício Sede do C. D. Ferrovia do Cubal

 Fernando da Silva Vilares
Presidente da Câmara Municipal do Cubal

Tem sido notória a onda de desenvolvimento que se tem registado nos últimos tempos, nesta jovem cidade.

Muitas novas construções, aberturas de ruas a avenidas a criação de estabelecimentos do ensino e outras repartições, a construção da piscina do CDF, o estádio Municipal em constantes inovações, a asfaltagem das artérias da cidade, etc., etc.

A população cubalense continua a lutar, construindo, melhorando e criando novas indústrias, o problema da agricultura vai-se diversificando cada vez mais, o Go­verno não falta com o seu apoio dirigindo e contribuin­do materialmente, a Edilidade, depois de muita luta, co­meça a sentir o apoio dos habitantes desta vasta região e tudo isto, traduz-se elo­quentemente no panorama que hoje se desfruta e que é, sintetizadamente PROGRES­SO.

Novas perspectivas se vão abrindo e nós, neste número em que se focam diversos aspectos do Cubal, não podíamos deixar de entrevistar o Presidente da Câmara Muni­cipal, Fernando da Silva Vilares.

Apesar dos seus inúmeros afazeres, Fernando Vilares, desmultiplicou-se e dispôs-se a conversar connosco, e o bate-papo começou.

— Sendo o problema do abastecimento de água o de mais premente necessidade e o de mais difícil resolução, o que nos diz Senhor Pre­sidente?

— A falta de água aflige ho­je os maiores centros popu­lacionais da Província, salvo raríssimas excepções. O pro­blema tam origem não só na irregularidade das quedas pluvíométricas, como tam­bém na enorme explosão demográfica que se vem verifi­cando desde há meia dúzia de anos em toda a Província. Repare que Luanda, Lobito, Benguela, Nova Lisboa, Sá da Bandeira cidades com de­senvolvimento mais acentuado, onde a construção civil ocupa o primeiro lugar, pólos de atracção de fixação da população, mercê da instalação de Universidades, loca­lização de indústrias, etc., sofrem a chamada crise de crescimento, e a água é um elemento que se não poude poupar. Se há meia dúzia de anos as captações eram mais do que suficientes, hoje têm um débito inferior ao consumo normal e o resultado está à vista. O Cubal, cujo desenvolvimento acompanhou em proporção o de outras cidades tem também sofrido o problema do abastecimento de água para as máquinas. Mas o nosso proble­ma está resolvido.

«Temos tudo preparado, para fornecer água da nossa Barragem, dentro de dias. Aguardamos apenas a chega­da das bombas doseadoras para tratamento de água, que será neutralizada com leite de cal e será esterilizada com hipoclorito de cálcio. Se não houver demora na entrega dos materiais que compõem a Estação de tratamento, cal­culo fazer os ensaios até ao fim do corrente mês e tere­mos assim resolvido o problema que mais preocupa o Município.

— E passando da água pa­ra a luz, diga-nos por favor o que há feito e o que falta ainda, realizar?

— Já muito se fez neste sector municipal e a maior prova é a evolução que se tem verificado na arrecada­ção de receitas. Propomo-nos logo que haja disponibilidade financeira, fechar o anel em alta tensão o que implica a aplicação de centenas de metros de cabo construção e apetrechamento de 3 cabines de transformação, etc., que monta a algumas centenas de contos. É nosso desejo electrificar as novas avenidas antes da sua pavimentação, o que esperamos conseguir ainda este ano. Além disto, há ainda que iluminar algu­mas zonas da cidade e as remodelações que vão sendo necessárias, vão-se e fazendo cadenciadamente.

— E o sistema de esgotos está totalmente em funcionamento?

— A lª fase dos esgotos compreendida entre as aveni­das Silva Tavares e CFB, foi executada por empreitada e está em funcionamento desde há anos.

«Por administração directa temos vindo a executar, na medida das possibilidades, as restantes fases. A parte já executada é mais extensa que a 1ª fase e inclui o canal que drena para o Rio Unge, todas as águas da parte sul da ci­dade. Antes da pavimentação como acontece com a rede de abastecimento de água e condutores da electricidade, queremos concluir a obra, que vem funcionando eficaz­mente, para evitar esburacar o asfalto.

— Agora, Senhor Presidente, sobre a ligação por asfalto da rodovia entre Catengue e a, nossa, cidade, visto que só faltam cerca de 70 km., e em tão mau estado durante a maior parte do ano diga-nos por favor o que há de verdade e que for do seu conhecimento?

— Isso é um assunto que transcende o âmbito municipal. Sei no entanto que o estudo até Robert Williams está feito e que o troço Catengue-Cubal, está andando a toda a força e suponho que a asfaltagem está para breve.

— Gostávamos que nos falasse agora sobre outros pro­jectos que a Câmara Municipal, tenha em mente realizar. Pode dizer-nos algo?

— Sim, temos vários nomeadamente e dentro do plano de prioridade estabelecido pela Câmara, estão em curso as seguintes obras:

a) Abastecimento de água;

b) Esgotos pluviais;

c) Preparação de ruas para pavimentação;

d) Implantação do Plano de Urbanização;

e) Cemitério Municipal;

f) Lancilagem dos pas­seios;

g) Estádio Municipal;

h) Campo de aviação.

Algumas destas obras es­tão em vias de conclusão. Acabadas, outras surgirão, num constante desenvolvi­mento. Para as Câmaras como sabe, há sempre muito a fazer, mas nem sempre há verbas. E no que respeita ao Campo de aviação, não há possibilidades de o concluir. A Câmara já iniciou a cons­trução de um novo Campo de aviação, mas porque não te­mos máquinas, fomos obri­gados a suspendê-la. A Ae­ronáutica Civil, deu como inoperante a pista existente e hoje o Cubal, vê-se privado de ligações aéreas. Mas o as­sunto está apresentado já a quem de direito e aguarda­mos uma urgente resolução, na medida em que este é também um assunto de capital importância.

— E agora, que a nossa conversa já vai de certo mo­do longa e que vários assuntos foram focadas, as colu­nas do nosso Jornal, são suas.

— Resta-me agradecer a amabilidade que teve, porque efectivamente cabe à Imprensa, um papel preponderante na divulgação na divulgação dos assuntos que interessam ao bem co­mum. A informação só atin­ge os seus fins, quando as­sente na verdade e a verdade só se colhe através dos res­ponsáveis. O “diz-se” até ho­je, só teve uma virtude “Destruir”. Dos boatos, todos nós conhecemos as consequências.

«Ao Jornal Sul, desejo que trilhe o caminho da verdade e da isenção como até agora vem acontecendo, na defesa desta Angola imensa a quem tanto queremos».


E nós, simples homens da informação, devolvemos ao Senhor Presidente da Câma­ra Municipal do Cubal, os agradecimentos que nos diri­ge. Eles são para si mais devidos, por tudo quanto tem feito em prol do Cubal, de Angola e de um Portugal ca­da vez maior.


A cidade do Cubal, ainda na sua fase de desenvolvimento primário, procura muito justamente acelerar os seus meios de expansão de forma a atingir aquele nível essencial que lhe permita encabeçar ao lado de outras cidades da província, já mais enraizadas pela idade.
O aspecto geral da urbe dá-nos, para já, uma panorâmica urbanística bem delineada, com vincada projecção, como que a dizer que se está a construir no presente com os olhos postos no futuro. Os imóveis obedecem a umas linhas arquitectónicas já bem definidas e em moldes modernos e sugestivos, que dão garbo e beleza à urbe.
Problemas, como todas as cidades que se prezam, também os tem, mas com o tempo e com a tenacidade e o querer dos homens conscien­ciosos, esses problemas hão-de ser resolvidos.
De momento vive-se a euforia da subida da cotação do sisal, o símbolo dinamizador da cidade do Cubal. Este um bom pronuncio, pois trata-se, como está bem de ver, da principal cultura rentável e da qual vivem muitas centenas de pessoas. A ascensão da cotação do sisal veio, em boa hora, trazer novas esperanças às gentes do Cubal, atendendo ao facto de que se trata de uma importante fonte de receitas que dá o pão a ganhar a muita gente.
Cubal — uma cidade jovem com a bússola assertada em direcção ao progresso e ao desenvolvimento socioeconómico!

15 outubro 2010

Em memória de dois ilustres cubalenses

À memória de
JACINTO RODRIGUES GUERRA
15.02.1893 - 10.01.1973
Chegou a Angola em 1916
Em memória de
JOSÉ MARIA CABRAL
1.12.1920 - 4.7.1972
O Eduardo Dinis (Tondela) a residir no Cubal, na sua excelente colaboração com o nosso blogue, envia-nos estas duas imagens, que aqui são colocadas com a anuência dos familiares.
A nossa homenagem a estas duas figuras incontornáveis da história do Cubal .

11 outubro 2010

Rua Inf D Henrique - Junto à "Reparadora Transmontana"


Antiga Oficina Reparadora Transmontana
Na esquina era o Talho do João
Antiga Oficina do Raúl- Reparadora Transmontana
Posted by Picasa
Ruca com o  Sr. Magueta

CAMINHO DE FERRO DE BENGUELA - Cubal

Estação CFB Cubal



Em 1908, chegou pela primeira vez o comboio ao Cubal. Não foi fácil este percurso devido ao terreno acidentado e árido desta zona. A título de exemplo, no quilómetro 54, foi necessário utilizar um sistema complicado de cremalheiras, porque em 2 quilómetros de percurso, o comboio passava da cota 97 no Lengue para a cota 236 em São Pedro. Em 1948, as cremalheiras foram substituídas, dando lugar à construção da variante do Lengue. Entre 1972 e 1974, foi construído um novo trajecto entre o Lobito e o Cubal, denominado de variante do Cubal. Esta variante trouxe vários benefícios como: a distância entre o Lobito e o Cubal, passou de 197 para 153 quilómetros. O número de curvas, passou de 415 para 122 e o raio mínimo de 100 para 350 metros. Na conversa que tivemos no início do ano, com o Director Geral do Caminho-de-ferro de Benguela (CFB), Daniel Quipaxe, um dos objectivos da sua direcção, para o início de 2005, era o comboio chegar ao Cubal. Tal aconteceu até Março deste ano, para depois haver um interregno até finais de Junho. O comboio é vital para esta região. O CFB, não pode pôr o comboio a funcionar por algum tempo e depois tirar o “presente”. O CFB, tem uma linha de 1.301 quilómetros que vai do Lobito ao Luau, para recuperar. O CFB, de acordo com a informação que nos foi dada por Daniel Quipaxe, vai dispôr, para a sua recuperação de um financiamento na ordem dos 500 milhões de dólares, concedido pelo banco chinês Exibank. Sabemos que não é fácil a reconstrução do CFB, é necessário fazer obras de arte (pontes), é necessário ter uma linha adaptada aos comboios actuais... mas, já é tempo de mostrar trabalho, de uma forma continuada, pelo menos na linha Lobito-Cubal. Na audição que fizemos junto de vários populares, todos foram unânimes em dizer quão importante e vital é o comboio para eles. Deixam de viajar nas “Heaces”, têm melhor comodidade e podem levar mais mercadoria e/ou haveres. A importância do comboio, não se faz sentir só nos residentes no Cubal, também gente das redondezas pernoita naquela cidade para poder viajar no comboio. Para o comerciante Fernando Cangola, o CFB, é extremamente importante «e falo com experiência, isto porque quando era mais novo, trabalhava no Huambo, e recebia mercadoria transportada pelo CFB, que para além de ser mais rápida, tinha melhor preço. Com o seu bom funcionamento, é possível desenvolvermos ainda mais a nossa actividade». Para o jovem empresário Joaquim Monteiro o CFB traz «todas as vantagens e, no meu caso concreto, vou passar a utilizar menos a minha carrinha e de certeza que o preço do frete ferroviário, é mais barato que as despesas que tenho a nível da viatura: conservação, seguro, combustível... Por outro lado, através do CFB, é possível encomendar mais mercadoria e fazer stocks, em suma, passo quase de certeza a ganhar mais no meu negócio». Olímpia Pereira, mais concisa e mais sarcástica, limitou-se a dizer «traz-me mais clientes». •

AGÊNCIA BANCÁRIA NO CUBAL

Lagoa do Cubal


O Administrador Municipal referiu «no tempo colonial o Cubal era servido por cinco bancos, pelo que o desenvolvimento que hoje temos, justifica pelo menos a existência de uma agência bancária». O grande Mestre, Jaime Lopes de Amorim, no seu livro “Digressão através do vetusto Mundo da Contabilidade” escreveu «...a introdução do crédito no mundo dos negócios é muito mais antiga do que muitos certamente julgarão, podendo mesmo afirmar-se que ela remonta aos longínquos tempos das sociedades primitivas», em suma, o crédito é a pedra de toque do desenvolvimento socio-económico e quem pode conceder crédito é a Banca, porque é a base do seu negócio. Os Bancos instalam-se onde está o dinheiro. Onde há progresso económico e infra-estruturas mínimas e no caso concreto de Angola, o litoral reúne melhores condições que o interior. Para estarem no interior, tal como nos disse um director bancário «já há cidades no interior que justificam a nossa presença. O problema prende-se com o transporte do dinheiro, que sendo por via terrestre ainda não há uma segurança absoluta no seu transporte. Sendo por via aérea, implica que essas cidades tenham pistas de aviação minimamente capazes, para que o custo do transporte seja menor». Ora, esta justificação é plausível, pelo que implica um esforço conjunto entre as Administrações Municipais e/ou Governo e os respectivos bancos, no sentido de criarem as tais infra-estruturas, ou seja, se for o transporte por via aérea, melhorarem as pistas de aviação. Para o gerente comercial Fernando Cangola, «há bancos que querem instalar-se no Cubal. Seria deveras importante, a sua instalação, porque deixaríamos de levar o dinheiro para Benguela», e advinha múltiplas vantagens «menor risco de perder o dinheiro em assaltos; entrada imediata no circuito bancário; comunicar de imediato à entidade patronal o apuro feito; poder recorrer ao crédito». Quer Fernando Monteiro quer Olímpia Pereira afinam pelo mesmo diapasão, tendo acrescentado «o que fazemos tem de ser com capitais próprios» e quem conhece as regras do equilíbrio financeiro, sabe que muitas vezes devemos recorrer aos capitais alheios, mais propriamente à Banca.