28 novembro 2010

Jovens cubalenses de 1962 numa corrida de bicicletas, por Helena Carvalho

Quem identifica todos estes jovens ciclistas?
Cubal, Ano 1962


Olá Ruca
Mais uma foto, desta vez para recordar os jovens cubalenses de 1962 numa corrida de bicicletas com partida em frente à minha casa, ainda Sapataria Porto.
Helena Carvalho

Num dia feliz para alguns amigos cubalenses, por Helena Carvalho

Vamos identificar estes divertidos amigos cubalenses

27 novembro 2010

Estudantes do Ano Lectivo 1964 - 65

Nesta foto: Manuel AraujoEsmeralda CoelhoAnabela Simões (fotos)Luis LinoFernanda ValadasJoao CamiloAlexandrina CoelhoCidaliaCeleste Almeidaprima da Celeste (Luisa)

Cubal e cubalenses, por Fernanda Valadas

Pede-se a colaboração de todos para a legendagem destas belas imagens cubalenses, partilhadas pela amiga Fernanda Valadas, a quem envio um forte abraço 
Ruca

 1
 2
em pe: Alferes Brazao (treinador), Fernanda Silva,Celeste Almeida, Fernanda Valadas, Teresa
em baixo: Faro, Gaby Ferreira, Lilia Almeida e Cidalia.
 3
 4
 5
 6
 7
 8
 9
 10
 11
 12
 13
 14
 15
 16
 17
 18
 19
 20
 21
22

Cubalenses amigos, por Augusto Pessoa

1
Fernando da Silva Vilares, presidente da C.M.C ; José Maria de Oliveira (?) Abílio da Silva, maquinista do C.F.B.
e a minha querida Amélita

2
Minha casa bi-familiar, em mais um aniversário do m/filho, estando à esqª meu tio Herculano Ferreira Serêno, esposa, Damiana de Jesus Vasques Sereno, meu primo Carlos Manuel Vasques Sereno (NINO), Sr. Vieira, meu vizinho, três amigos, (QUEM SÃO?*I), filho do Sr. Belizário Augusto Mata, Ramos da C.M.C. meu colega e inquilino, Sr. Belizário A.Mata, meu vizinho e funcionário da C.M.C., a aurenTINA Esteves Lima, D.Lurdes Vieira, esposa do Sr. Vieira.
- Na janela aberta ao fundo, o meu gabinete de trabalho
 *I) à pergunta "QUEM SÃO?: Três miúdos bem identificados e que viviam felizes partilhando uma verdadeira amizade. Abraço Ruca
3
D.Lurdes Vilares, e professoras da Escola, no aniversário de m/filho, o mais alto na foto ;-)

Cubal de Ontem, por Augusto Pessoa

1
Foto da minha casa, bi-familiar, que seria a 4ª/5ª, onde morei com a família,
tendo como inquilino o meu amigo Ramos que trabalhava na C.M.C. na outra parte bi-familiar.

2
A minha 1ª casa, onde moramos,  e vocês*, mais tarde (*Júlia, Raúl e Ruca)

3
Estacas para marcação da minha 2ª casa, vendo-se ao fundo, a 1ª casa

4
A minha 3ª casa, onde morou o Sr. Enfermeiro do Hospital do Cubal,
 mais tarde alugada aos Senhores BOAVIDA, do C.F.B


B.t. Amigo RUCA. 
Mais uma vez, cá estou a relembrar a nossa terra. Tentarei identificar (nas legendas).
Assim que tiver mais recordações, vou enviando. 
Cumprimentos a teus pais e um abração para ti e Cubalenses.

****
Caro Augusto,
Belos testemunhos que nos envia. Obrigado pela partilha. Um agradecimento especial pela imagem 2. Aquela casa que me lembro tão bem (com a imagem na parede) e que a tenho tão presente na memória, apesar dos meus 4-5-6 anos. Ali passei, juntamente com o V. filho Ivo Sérgio, talvez os momentos mais felizes da infância. OBRIGADO!
Abraços a todos vós.
Ruca

23 novembro 2010

CUBAL


Um dia perguntei-lhe
Sabes onde é?
Sabes como é o Cubal?
Não me respondeu, mas
Pegou numa folha de papel
E desenhou.
A verde, uns rabiscos de sisal
Com um lápis preto traçou o rio
Juro que vi os jacarés ao sol
E meninos tremendo de frio
Com o mesmo lápis traçou ao lado
Uma enorme serpente de ferro
Perdendo-se lá longe na mata
Dissolvida num cacimbo nublado.
Com todas as cores que arranjou
Desenhou o casario
E as acácias em flor.
A castanho fez uma estrada para norte
E um pouco à frente, a azul
Desenhou um pontinho
A medo, perguntei um pouco à sorte
Isso parece-me a lagoa.
Claro que é, não há lagoas a sul.
Voltou atrás e desenhou outra estrada
E, um pouco à frente
Numa curva desenhou umas “alminhas”
E logo depois
Fez uma casa que parecia abandonada
Nas árvores em redor, pôs levemente
Muitos bicos de lacre e zonguinhas
A toda a volta do desenho continuou
A rabiscar verde de vários tons
Disse-me
São as matas da tua infância
Onde tantas vezes te perdeste e
Encontraste.
Não me ia esquecer, sabes como sou.
Não vês os catuites e as rolas?
E aquela cabra de leque pastando?
Espera, ainda falta qualquer coisa
E desenhou a azul muito escuro
Nuvens densas e uma chuva bravia
Desculpa, mas não consigo desenhar
O cheiro doce que a terra trazia.
Esse, vais ter que ser tu a imaginar.
Como é possível, ver esse Cubal
Sem nunca lá teres estado?
Enganas-te
Toda a vida vivi rodeada de sisal
Conheci cada palmo nas tuas histórias
Sei de todos, todos os teus amigos
E todos eles vivem como tu
Enredados nas mesmas memórias.

Henrique Faria
Coimbra, Novembro de 2005

O MEU PAÍS

 
Dentro da minha cabeça
Tenho uma caixa de lápis de cor

Com que pinto os sonhos.

Neste

Pego no lápis castanho escuro

E pinto duas muanhas altivas

Que passavam perto de mim.

Dou-lhes mais um pequeno toque

Para que se veja o andar

Que só as gentes do sul têm

E que nós tão bem conhecemos

E para podermos ouvir

Os chocalhos amarrados na canela.

Peguei nos verdes, ah os verdes

E tive que usar todos os tons

Para pintar as matas densas

Passei levemente por cima

O lápis cinzento

Como esquecer-me dos cacimbos

Que tantas vezes me arrepiaram a pele?

Lá ao longe dois morros de basalto

Cortam o horizonte da savana

Pinto-os com o lápis preto.

Com o lápis amarelo dourado

Pinto a imensa anhara

Onde tantas vezes me perdi

E me encontrei.

No meu sonho tinha chovido

Uma chuva bravia, poderosa

Desenhando alinhavos no pano da tarde

E cheirava intensamente

Aquele cheiro da terra depois da chuva

Não o pintei, não consegui

Afinal

De que cor se pinta o cio da terra?

Com o lápis vermelho

Pintei o sol enorme de fim de tarde

E vi no mar

Aquele imenso rasto de sangue

Por fim, com o lápis azul

Sempre o lápis azul

Coloquei no canto direito

A minha assinatura

Esperando, ansiando

Que gostem deste sonho.

Não o vendo, apenas o ofereço

Afinal,

Que preço pode ter um país?
Henrique Faria

14 novembro 2010

Jovens do Cubal -4º ano do Colégio Eça de Queirós - ano 1973.


Envio mais uma foto de jovens Cubalenses, além da Miló e da querida Mary não me recordo do nome das restantes meninas
Fica o desafio para os nossos amigos.

Beijinhos
Helena
**
Ana Catarina Monteiro comentou este post.
Ana Catarina escreveu: "Ora Amigo aqui vai a dica de minha Tia Margareth face a essa foto....
 "A fotografa foi a a colega Zinha. É o grupo de alunas do 4º ano do Eça de Queirós - ano 1973.
-Primeira fila: Tia Margareth Narciso, Carla Franco , Mary, Miló, São Pinheiro e Fernanda; 
-Segunda fila: Assunção , Celeste e Anabela.
 Minha Tia envia beijinhos às colegas presentes nesta plataforma virtual. Laripo Amigo!" 

13 novembro 2010

Meno e Tina Carrasqueiro

Posted by Picasa

Fotos de Mimi Fraga

Pai Fraga (o pessoal das farras de certeza que se lembra dele)
Zé Fraga, Bela Fraga, Mimi Fraga e Bessa
No Ano que chegamos a Portugal
Esta foi tirada na Foto LIG - Cubal
Saudoso Bessa infelizmente já não está entre nós
Posted by Picasa

No átrio da Escola Primária nº 40 - Cubal

Uma aula de ginástica - Só falta o Prof. Leonel
1° fila da esquerda:Luis Filipe da Vinha Faria (Filho do Faria -Carimbos)Fernandes, Filho do comerciante Fernandes da Camunda, Manuel António Pires Amaro, filho do Sapateiro Ezequiel, António Albernaz,filho de um policia,Leite,Simões?,...?2° fila:José Arménio de Almeida Fontoura,Georgina Vaz,Filha do Freire e Maria,Batista,Carlos Alberto de Brito Claudio,C.F.B?Silvino,...,Helder,...?3° fila:Lucilia,Anabela,Fátima,...4° fila:Alzira Guedes Resende,(Dos filtros),Elisabete Carona,Delfina,outra Fátima,...,...,Luis Alberto Benites de Sousa,C.F.B.,Zé Manuel,...?

Curiosidades sobre Cubal in Verbo Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura -6º Vol.

Fiz hoje uma consulta à enciclopédia e vejam esta curiosidade datada dos anos 60:
CUBAL — Concelho do distrito de Benguela, comarca do Lobito, diocese de Nova Lisboa. Compreende, além da sede, os postos administrativos de Caimbambo, Hanha e Quendo. Tem a superfície total de 7185 km2 e 60310 habitantes (em 1960). A região apresenta uma altitude média de 900 m. O clima é subtropical, com duas estações: a quente e chuvosa, de Outubro a Maio, e a fresca e seca, de Junho a Setembro. A cultura do sisal é a grande base económica do concelho, havendo várias fábricas de desfibra e também de fabrico de tapetes e cordas. Produz-se ainda o milho, feijão, couros e cera. Há diversas explorações florestais com serrações de madeiras, além de moagens, fábricas de cal e de cerâmica, e oficinas de serralharia. O gado bovino constitui a principal riqueza pecuária. Cubal tem aeródromo. A área do concelho é atravessada pelo Caminho de Ferro de Benguela, situando-se a sede ao km 194. Caimbambo também tem estação ferroviária. Por estrada, Cubal dista 188 km de Benguela, 51 de Vila Mariano Machado, 211 de Nova Lisboa e 56 de Quendo. J. DE AZEVEDO E SILVA -in Verbo Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura -6º Vol.

Amigos

Tio António Flórido, Vanda Alves e Ruca
Posted by Picasa

Cubalenses no Luso (Um dos primeiros Encontros, após 1975)


10 novembro 2010

3º Aniversário do blogue do Cubal

Caras e Caros amigos cubalenses e amigos do Cubal,

O nosso espaço virtual, faz três anos de existência.

Como tem sido habitual nos anos anteriores, deixem-me partilhar este momento especial com todos vós,  destinatários do trabalho que se tem desenvolvido ao longo destes 3 anos.
Estou convicto que o “mundo cubalense”, ao longo deste período, ficou mais pequeno ou seja, passamos a saber o paradeiro de uns e de outros, com a possibilidade em trocar mensagens e notícias, volvidas algumas décadas de incertezas, partilhando deste modo  emoções, afinal o lema principal do nosso blogue. Por vezes também tivemos notícias, que não desejaríamos, quando soubemos do desaparecimento de amigos, que nos deixam imensas saudades. E este ano, como sabem e aqui foi divulgado, foram muitos os casos que nos deixaram incrédulos e com imensa tristeza. 

Muita coisa se tem passado ao longo deste tempo.

Cingindo-me ao último ano de vida, poderei salientar como actividade relevante do Blogue, o seguinte:
  • Divulgação, dos Encontros dos Cubalenses no Luso e em Mira, conforme indicações das respectivas comissões organizadoras. Foi efectuado agendamento e criação dos eventos também no Facebook, convidando quem se encontrava registado.
  • Foi desactivada a página na Rede Social Hi5, tendo sido substituída pela página cubalense no Facebook. Teríamos de estar na vanguarda do fenómeno social evidente e que estava a despontar, sabendo que a especificidade desta rede social poderia ser uma enorme valia, potenciando aquilo que o blogue estava a fazer: A reaproximação de todos nós amigos e amigas cubalenses. Em boa hora foi feito, traduzindo-se actualmente em 233 amigos, que partilham entre si a mais diversa informação.
  • Colmatando uma falha existente, foi criada, acessoriamente à página “Cubal Angola Terra Amada!” e “Diáspora Cubalense”, uma nova página “Cubal, hoje – Cidade em Progresso!”, onde são publicados testemunhos, eventos, notícias do Cubal nos dias de hoje. Para esta nova página, estamos a contar também com ajuda e colaboração de cidadãos actualmente residentes no Cubal, destacando o amigo Dinis Chaves, que tem feito um trabalho fabuloso, tendo em conta as dificuldades de rede de internet na região do Cubal. A título de exemplo, o Dinis Chaves, já se tem deslocado propositadamente a Caimbambo, para nos enviar imagens, uma vez que a rede naquele local se encontra menos saturada. O Dinis Chaves tem sido um caso de abnegação e dedicação mais recente e que gostaria aqui destacar pelo exemplo positivo e a seguir.
  • Temos efectuado a manutenção na Enciclopédia Livre- Wikipédia no endereço: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cubal
Muitas curiosidades me têm proporcionado o nosso blogue. Para não vos maçar, vou apenas citar a última. O Director de uma grande empresa espanhola de manufacturação de produtos em sisal, entrou em contacto comigo, após verificar os posts das Fazendas de Sisal no Cubal.
Referiu-me que antes de 1975 importava sisal das Fazendas do Cubal. Entretanto e face às contingências históricas, isso deixou de ser possível, orientando as suas importações para a Tanzânia e Kenya (importa anualmente 150 contentores de sisal daqueles países) . E agora pedia a minha ajuda desta forma “(...) Despues de enviar correos a todas la oficinas comerciales existentes en Angola, sin exito, me pongo en contacto con usted para ver si me puede dar alguna informacion sobre plantaciones de sisal y empresas que se dediquen a exportar fibra de sisal”(...).
Dei como resposta a informação possível e que recolhi para o efeito.

Por tudo isto e muito mais, gostaria agradecer a todos aqueles, que têm contribuído para que o blogue permaneça vivo, ao enviarem-me para o meu email:  cubal.ruca@gmail.com os testemunhos do Cubal e cubalenses ou facultando-me fisicamente os mesmos, para publicação nas páginas do blogue. Foi graças a estes amigos e amigas (cujos nomes se encontram no lado direito do blogue em “Etiquetas”) que tudo foi possível. MUITO OBRIGADO A TODOS!

Fui, ao longo do tempo, convidando amigos a integrarem-se neste trabalho. Uns de imediato aceitaram, enviando testemunhos ou na ausência comentando no blog. Outros um pouco mais tardiamente. E outros ainda aguardo que me digam alguma coisa após as promessas iniciais e cheias de expectativas. O blogue continua à espera destes e de todos que queiram manter a chama acesa. Comigo podem contar, pois tentarei manter o lema "Não corras atrás das borboletas, cuida do teu jardim e elas virão até ti".

Ao criar a página no Facebook, sabia à priori que a tendência dos amigos, seria destes colocarem nas suas próprias páginas pessoais os seus testemunhos cubalenses, preterindo o blogue. Sabia e tinha consciência que este facto iria acontecer. Por esse motivo tive sempre o cuidado em mencionar no Facebook que gostaria que considerassem a página da rede social como uma extensão do blogue. Se colocassem na sua página pessoal /mural  as imagens/testemunhos do Cubal, o convite formulado foi sempre no sentido  que enviassem, em simultâneo, para as colocar no blogue. Infelizmente, na sua maioria, isso não está a acontecer. Colocam na página do Facebook e não pretendem ou não enviam para o blogue . Estão no seu direito.
No BLOGUE, os testemunhos cubalenses ficam concentrados num único espaço cubalense (NO NOSSO BLOGUE), podendo ser analisados e consultados em qualquer momento e em qualquer parte do mundo, por pesquisa de temas ficando os mesmos disponíveis na Internet quando se efectua uma pesquisa, por exemplo nos motores de busca Google, Yahoo!, etc. No Facebook isso não acontece. Se alguém efectuar uma pesquisa no Google, nunca irá encontrar as imagens ou temas que cada um tem na sua página pessoal, nem sequer os comentários que aí foram efectuados. Porque só os amigos podem visualizar! Daí estar a perder-se uma enorme oportunidade para que os nossos testemunhos sejam vistos e apreciados universalmente e não apenas pelo número reduzido de amigos que temos no Facebook. Relembro que existem muitos cubalenses que acedem ao blogue e não estão no Facebook, devido a factores vários , como p.e. pouca apetência, faixa etária elevada e com pouca predisposição, desconhecimento, desconfiança das redes sociais, etc.etc.

Como devem calcular, para mim também se torna difícil continuar a “implorar” continuamente para que coloquem os testemunhos e partilhem os mesmos no blogue. Ou se tem vontade em fazer parte deste projecto, ou não! Ou se tem vontade em partilhar, ou não! Ou se tem vontade em divulgar aquilo que foi e é o Cubal, ou não! Como tenho dito, o blogue não é meu: É NOSSO! e gostaria que todos assim o considerassem.

Se me demonstrarem que o Facebook, poderá substituir na totalidade o blogue, agradeço que o façam. Pode ser que mude de ideias e se acabe com o blogue a favor do Facebook ou outra rede social. Estou aberto à mudança, desde que tenha ajuda de todos e que me demonstrem que um é melhor que o outro.

Lembrem-se disso e deixem de lado o espírito de não partilha. Não me parece que o espírito cubalense seja esse. A pequenez nunca foi lema cubalense.

Como curiosidades:
O nosso blogue, ao longo do último ano, foi assim visto em todo o Mundo (número de visitas e páginas vistas):

****
-- Site Summary ---                     
          Visits

            Total ....................... 71,412            
            Average per Day ................ 121            
            Average Visit Length .......... 7:07            
            This Week ...................... 847            

          Page Views

            Total ...................... 242,980            
            Average per Day ................ 345            
            Average per Visit .............. 2.9            
            This Week .................... 2,414            

Temos, actualmente publicadas 5600 imagens /testemunhos do Cubal (não contabilizando as imagens dos Encontros anuais em Mira e Luso)

Por tudo isto, peço a colaboração de todos para que o blogue continue a ser a referência e “…o elo de ligação de todos os cubalenses, onde se fomente o debate saudável, possibilitando novas ligações entre pessoas e a PARTILHA DE EMOÇÕES DOS CUBALENSES E AMIGOS DO CUBAL.”

O futuro e a continuidade do blogue está nas mãos de todos! Não gostaria que a chama se apagasse!

Recebam uma saudação cubalense e estamos todos de parabéns!
Rui Gonçalves (Ruca)