23 outubro 2011

RECORDAÇÕES DOS BONS VELHOS TEMPOS NO CUBAL, por Fernanda Valadas


 Clube Beneficente e Recreativo do Cubal
Tema:- Cinema e seus envolvimentos
1ªParte
Anos 50/60

ÀS 4ªs e sábados todas as tardes uma carrinha com uma grande campânula percorria as ruas do Cubal anunciando o filme da noite, através da voz do Bibito Guerra, acompanhado dos últimos sucessos musicais da época, rock and roll.
Após o almoço, era grande a azáfama em minha casa, já que éramos uma família grande e tínhamos de cuidar das toilettes. Passava-se a roupa a ferro (de carvão), punha-se goma nos saiotes e laçarotes (água com farinha de trigo), engraxavam-se os sapatos (de verniz com azeite e os brancos com Blanco), vincavam-se as calças do meu pai e irmãos, punham-se as palhetas nos colarinhos das camisas, limpavam-se os casacos de fazenda com café. Depois de tudo pronto, estendiam-se as roupas nas camas respectivas para serem usadas na devida altura.
Jantava-se mais cedo e depois, cada um ia preparar-se para a grande sessão.
Eu e a Anita éramos despachadas em primeiro lugar. As minhas irmãs Olga e Lisete penteavam-nos e punham-nos uns laçarotes no cabelo com 6 ou 7 cm de largura, cheios de goma que na cabeça mais pareciam umas borboletas gigantes. Diga-se de passagem, que nunca gostei muito desses atavios, mas, naquele tempo, o regime era: come e cala!
A Olga e a Lisete levavam mais tempo nos seus preparativos. Ripavam o cabelo para poderem fazer grandes poupas e para isso usavam água e limão para as mesmas ficarem bem firmes. Punham pó de arroz, rouge, creme Pound's, batom e no fim o perfume muito em voga, Tabu.
Tudo pronto, havia ainda que por uns cintos muitos largos que eram apertados ao máximo para fazerem uma cinturinha o mais estreita possível.
Todos estes preparativos levavam o seu tempo e o meu pai impaciente a espera no portão.
A sessão começava as 21 horas, ia-se sempre com antecedência por causa das praxes.

Quando se chegava ao clube, já os rapazes estavam no cimo da escadaria em alegres cavaqueiras, mas sempre atentos a chegada das suas eleitas. Naquele tempo, um a simples troca de olhares era uma grande emoção e felicidade.
Os homens levavam as mulheres aos seus lugares dentro da sala, sem que antes o Alexandrino cortasse os bilhetes, saiam e iam para o salão jogar bilhar, "ping pong", beber uma cerveja ou fumar. As senhoras, dentro da sala, saiam dos seus lugares e iam ter umas com as outras e aproveitavam aquele tempinho para porem a conversa em dia.
Nós, as crianças, entravamos com os nossos pais, mas depressa nos escapávamos e íamos para fora jogar as escondidas ou ao "canhe", ou então andar num celebre baloiço que o Zé Lemos tinha feito numa acácia em frente ao clube.

Às 21 horas começava a sessão.

2ª Parte
O CINEMA

Tal como o meu pai, havia um certo número de pessoas que tinham lugar cativo, o que equivale a dizer que existiam um determinado grupo de crianças e jovens que marcavam presença em todas as sessões. Crianças até 12 anos não pagavam" bilhete".
Vou fazer uso da minha memória fim de enumerar o nome das crianças que, salvo raras excepções, não faltavam a uma sessão.
Anabela e Zé Simões, Graça Gouveia, Dália Botelho, Olga Santos, Palmira, Maria Sampaio, Céu Canais, Ana Maria Paulista, Gaby Ferreira, Teresa Mota, Anita e Nanda Valadas, Henrique Faria, Carlos e Silvério Falcão, Zé e Quim Queirós, Zé Lemos, Chico Valadas, Hernâni Cabral, Fernando Alexandre, Luís e Cabolas, Vítor (hotel) e Vítor (algarvio), Canais, Armando Ferreira, Necas e Carlos Abreu, e… outros mais que não recordo de momento.
A sala era composta por cadeiras de madeira todas ligadas umas as outras e a frente duas idas de bancos corridos de cada lado da coxia. O lado direito era destinado aos rapazes e o esquerdo as raparigas - não haviam misturas, homens eram homens e mulheres eram mulheres- cada um no seu canto...
Naquele tempo, as habituais tinham o seu lugar marcado e se a sala ficava superlotada, os não habituais
Sentavam-se no chão, onde por sinal dormiam grandes sonecas por não estarem habituados aquela rotina.
A sessão abria com "bonecos animados", O Sr. Pitosga, Tom e Jerry, Bugs Bunny, para nossa tristeza eram apenas 5 ou 10 minutos. Seguidamente vinha um documentário, umas vezes interessante, outros aborrecidos, para nas crianças, claro!
Completo delírio eram os três estarolas. Ai sim! Toda a sala vibrava com gargalhadas hilariantes.
Para nos, filmes bons, eram aqueles em que o "artista" matava todos e nunca morria, tais como: Índios e cow boys-Randolph Scott, John Wayne, Gary Cooper.Espadachins- Zorro, Errol Flyn, Tyrone Power.Tarzan, Cantinflas, Fernandel, Sissi e posteriormente filmes bíblicos, tais com Os 10 Mandamentos, Ben Hur,etc.. Quando o filme não nos interessava, tínhamos duas alternativas, ou dormíamos nos bancos ou íamos lá para fora brincar.

3ª Parte
O BALOIÇO

O Zé Lemos teve a ideia de fazer um baloiço numa acácia que havia em frente ao clube velho.
Só que não era um baloiço convencional, eu explico:
-Ele, Zé Lemos, arranjou duas cordas de sisal das mais grossas e amarrou-as a uma pernada da acácia a distância de 1,5/2 metros uma da outra. A fazer de assento, pôs um pau de bambu dos mais grossos. Como sabem o bambu tem uma superfície demasiado lisa, para além de ser cilíndrico.
Como já frisei anteriormente, nos intervalos dos filmes ou quando achávamos que o mesmo era um "barrete" íamos lá para fora brincar.
Naquele tempo a primazia era ainda das meninas e, como tal, nos éramos as primeiras a saltar para o baloiço e eles tratavam de nos empurrar. Até ai, tudo bem!
Conseguíamo-nos sentar cinco ou seis, tal era o comprimento do mesmo. As que ficavam nos extremos, agarravam-se as cordas, as outras agarravam-se umas as outras.
Quando nos começavam a empurrar e o balanço já era grande, ai começava o festival do desequilíbrio...as do meio escorregavam, agarravam-se as companheiras do lado que por sua vez também se desequilibravam e acabávamos por ficar penduradas pelas articulações das pernas, tipo trapezista, e com as mãos a segurar o pau de bambu, já que os nossos apoios dos lados não nos serviam de nada. Ficávamos com o rabo todo para baixo e os rapazes continuavam sempre a dar cada vez mais balanço e o resultado eram tombos valentes com algumas esfoladelas mas, nem isso nos fazia desistir, o que queríamos era andar.
Um certo dia, para grande tristeza de todos, o baloiço já lá não estava, foi retirado.
Pelo que vim a saber depois, começaram a surgir vozes de protesto de alguns pais, cujos filhos apareciam com arranhões e esfoladelas, portanto, era uma diversão perigosa.
Tiraram-nos uma das melhores diversões, hoje reconheço que com toda a razão, mas quando me recordo ainda sinto vontade de rir pelas situações cómicas que o dito baloiço nos proporcionava.

4ª Parte 

O DESAPARECIMENTO MISTERIOSO

Certo dia, o filme que projectavam era demasiado monótono, sem acção, compondo-se apenas de diálogos, e já se sabe, para crianças isso não dá!
Eu, a minha irmã Anita, a Anabela Simões, a Graça Gouveia e a Maria Sampaio, nesse dia, éramos as únicas meninas espectadoras, a sala estava vazia.
Após o 2 intervalo, e como o filme estava a ser um grande "barrete" para nos, uma a uma fomo-nos deitando nas fiadas das cadeiras e adormecemos profundamente.
O filme terminou e todo mundo saiu, incluindo os nossos pais pois não nos vendo nos bancos pensaram que estávamos lá fora a brincar como tantas vezes acontecia.
Ao chegarem lá fora, as meninas não estavam lá e então começaram a perguntar as pessoas que ali estavam, só que a resposta era negativa. Pergunta aqui, pergunta ali, começou-se a gerar pânico e como e natural, todo o mundo começou a procurar-nos a volta do clube. Chamavam por nós mas...qual quê? Lá dentro não se ouvia e nos estávamos na 3a dimensão do sono.
A certa altura a Maria Sampaio acordou e ficou espantada por sermos as únicas pessoas dentro do salão e estando o mesmo a media luz. Acordou-nos a todas e o nosso  espanto também era grande. Não compreendíamos nada do que se estava a passar!
As páginas tantas, surge a mãe da Graça Gouveia, lá em cima no palco, onde ficava a máquina de projectar e, mal nos viu, sem que nada nos dissesse, saiu a correr lá para fora. Ai, ainda ficamos mais confusas, mal sabendo nos que a senhora foi a correr avisar os outros do nosso aparecimento.
Tudo isto durou cerca de 30/40 minutos após o término do filme. Calculem a preocupação dos nossos pais.
Apesar de não termos cometido nenhuma falta, não nos foram poupados alguns ralhetes com a ameaça de que nunca mais nos levariam ao cinema.
Na próxima sessão lá estávamos de novo, pois tudo tinha sido esquecido

5ª e última Parte

UM SOM DESLOCADO

Grande concentração no filme. Sala cheia. Silencio absoluto.
Alguém, confiado no controlo dos seus gases intestinais, achou que podia dominar "aquele" que a viva força queria vir para a rua. Entreabriu-lhe a porta para que "ele" saísse silencioso. Mas...qual quê?
O dito cujo tinha estado tão oprimido, que, quando viu a porta da liberdade ali mesmo em frente, abriu as goelas e deu um berro tão alto que ecoou por toda a sala.
Gargalhada geral, risos convulsivos.
Houve-se uma voz:
-Oh Valadas, o que foi isso?!!!!
-Valadas:
-Oh Valentim, não tentes disfarçar!
Gargalhadas redobradas.
De repente, ouve-se lá atrás uma voz:
-Esse não pagou renda. Foi despejado!...
As gargalhadas subiram de tom. Já ninguém dava atenção ao filme.
Do lado de fora quase se jurava que se estava a assistir a uma comédia hilariante.
Ficou-se na dúvida. Quem foi o autor? Valadas ou Valentim?

Lá no assento eterno onde te encontras, perdoa-me meu pai, mas fiquei sempre com a desconfiança de que foste tu.

Termina aqui o ciclo do cinema e seus envolvimentos.


4 comentários:

  1. Só hoje acedi à emocionante descrição das sessões de cinema no Cubal, em tempos recuados, feita pela Fernanda Valadas......Adorei a descrição dos preparativos das indumentárias , não só pela minúcia dos pormenores como pela sua semelhança aos que nós executávamos nas deslocações a Caimbambo para vermos um filme....só que nós tínhamos que transportar as cadeiras e bancos para nos podermos sentar, e durante a tarde, a camioneta de trabalho já tinha sido transformada em carro de transporte de família e vizinhos, com a colocação de taipais laterais e bancos corridos, onde nos abancávamos , as seis irmãs, os primos e os vizinhos num raio de 10 km....
    Obrigada Fernanda, pelos momentos relembrados, e pela constatação de que não há televisão, computador, ipad, ipod, iphone,3D ou qualquer outra coisa moderna que consiga diminuir o brilho dos momentos vividos para simplesmente ir ver um filme ...

    ResponderEliminar
  2. Assim sim! Texto excelente da Fernanda, com a descrição pormenorizada (qual crónica de costumes) duma época que relembramos, completado com um rico comentário da Celeste.
    Assim vale a pena. Um beijinho a ambas e obrigado.
    Ruca

    ResponderEliminar
  3. Deliciosa descrição de momentos passados.
    Obrigada Fernanda por me relembrares pormenores quase esquecidos.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Alô minha querida amiga Fernanda Valadas
    Muito obrigado por esta descrição impecável dos nossos bons velhos tempos e do modo saudavel e humilde com que viviamos e com o pouquinho que podiamos partilhar com os amigos, e as diabruras sem efeitos negativos com que se viviam aqueles momentos jamais esquecidos por esta geração de ouro.
    Carlos Canais

    ResponderEliminar

Obrigado pelo contributo/comentário que será publicado brevemente.NÃO TE ESQUEÇAS DE INSERIR O TEU NOME.Abraço
Ruca