26 novembro 2011

Amor e Paixão - Apelo à participação dos Cubalenses

Se alguém duvidasse que se trata de uma espécie de blog de amor e paixão, aqui tem a prova !
É uma paixão diferente. Esta, não me importo de partilhar. Desejo-o mesmo. Gostaria que, todos que aqui vêm, fizessem o mesmo. Alguns, têm-no feito (OBRIGADO!) .... outros sei que estão em vias de... Outros ainda , talvez por falta de tempo, não tenham pensado nisso... Mas a todos, não me canso de apelar: PARTILHEM ESTA PAIXÃO ENVIANDO FOTOS E OUTROS TESTEMUNHOS SOBRE O CUBAL!
Saudações

Documentos históricos do Cubal

1.Claque em Benguela. Ano 1966
Reconheço o Alexandre Fonseca, no canto sup dtº
Ao lado do Alexandre, tens o Hernani, na parte superior tens o João Karivera e o Vitor Rodrigues (Algarvio). Na bancada inferior encontrarás a Liliana Sousa acompanhada pelo ex-marido (falecido) Augusto de Sousa, e ao seu lado a Elsa (falecida), cunhada do Augusto de Sousa, juntamente com o seu marido Óscar.
2.Claque em Benguela. Ano 1966
O Vitor Algarvio, vê-se duas vezes, ao lado do João Karivera.O Vitor, é o elemento integrante da claque com pera (barba).
Na claque 2 - Rodrigues do hotel, Alexandre Fonseca, na parte superior Vitor (algarvio), na inferior falecido Peixoto e sua Exma., esposa, acompanhados de Caria e esposa



3.Ex 5º
Nota JLPena: Na foto 3 Pena(José Luis), Fernanda Costa, Helena Castro, Sação, Schultz Mota e António Oliveira (irmão do Zé Oliveira, o pai foi sócio do Sr. Vilares).



4.Ex 5º
Pena, V. Algarvio, Fernanda Costa, Helena Castro, Sação, ?
nota JLPena: Na foto 4 ao lado da Fernanda Costa é a Sação depois a Helena Castro e António Oliveira (irmão do Zé Oliveira)

Documentos históricos do Cubal

1.Na piscina do Terra
2.Na piscina do Terra

Documentos históricos do Cubal

1. Filtros - 1961
2. Ha He Al Ca
3. Mendes com ...
4. Novembro de 1963
2a da Esq.: Fernanda
5. Na Piscina do Ferrovia do Cubal

Curiosidades

Alguém duvida que se ama o Cubal - Angola ?

11 novembro 2011

4º Aniversário do Blogue do Cubal - Quatro anos a (re)unir cubalenses e amigos do Cubal

11 de Novembro
2007 -2011
***
Caros Amigos Cubalenses,
Num momento em que me encontro no estrangeiro, ocorre uma data muito significativa do nosso Blogue.
O NOSSO 4º ANIVERSÁRIO.
Estamos todos de parabéns! 
Este nosso projecto continua bem vivo e a (re)aproximar muitos amigos.

Não gostaria que a data passasse, sem aqui deixar a minha gratidão a todos os amigos/as que tudo têm feito para que este nosso cantinho virtual continue a ser o principal ponto de encontro e de referência cubalense.

Muito Obrigado a todos os que têm colaborado e que nos têm visitado.
Abraço
Ruca

09 novembro 2011

O grande vocalista TONI DE MATOS, acompanhado pelo acordeonista e amigo das farras HERNANI CABRAL.

O amigo Hernâni Cabral guardou esta foto durante 45 anos e me mandou de um lugar qualquer do planeta...
UM VERDADEIRO TESOURO...!!!...
...Bons velhos tempos de aventuras e loucuras da adolescência ... com 18 anos ... com muito sangue nas guelras.....ahahahahahahaha...

Toni de Matos

05 novembro 2011

A RELÍQUIA , por Fernanda Valadas

A RELÍQUIA
(Juro que nao vou plagiar o nosso Eca de Queiroz)
Fevereiro de 1965, quadra antecedente ao Carnaval, o que equivale a dizer que estávamos em plena fase dos assaltos. A "malta" do Instituto, incluindo os professores, combinaram um assalto a casa do Insp. Marques Monteiro. Ficou tudo organizado antecipadamente. As mulheres levavam os "comes" e os homens os "bebes" (não sei se ainda se usam estes termos, mas no meu tempo era assim), o Alexandre Fonseca iria buscar as raparigas na sua carrinha Chevrolet, verde. Chegou o dia e a azafama foi grande já que tínhamos de providenciar os "comes" ,as fantasias e as mascaras. As 20,30h o Alexandre passou por minha casa, já com a Tucha e Anabela Espinha e dirigimo-nos para a casa da Palmira e Olga Santos, em frente ao Clube Recreativo. Aí, estava um grupo grande de rapazes que aproveitaram a boleia e de imediato subiram para a carrinha. Ficamos a espera da Olga e da Palmira, e como elas estavam a demorar muito, eu, a Tucha e Anabela resolvemos descer e ir ver o que se passava. A Palmira andava feita "barata tonta" a ultimar os preparativos com um semblante fechado e com a mãe D. Felismina seguindo-lhe os passos com uma recomendação: -Mirinha, tem cuidado com o prato! É muito antigo. Era da minha mãe! Acreditem que esta recomendação era tão repetitiva que mais parecia um disco rachado e cuja agulha não saia do mesmo lugar. A Palmira, já saturada, respondia: -Esta bem , mãe! Eu já ouvi isso! Esteja descansada que eu trago-lhe o prato. Ela la se despachou e saiu com o dito prato na mao, com um guloso e apetitoso pudim de leite condensado (convém explicar aos mais novos que naquele tempo nao existiam , nem sacos plasticos, nem de viagem onde se pudessem acondicionar as coisas). Todos levavam as maos ocupadas. Ja eatavamos a arrancar e ainda ouvimos a D. Felismina dizer:-Mirinha, cuidado com o prato A carroceria da carrinha estava super-lotada e todos de pe e encostados uns nos outros la nos iamos equilibrando. O Alexandre, sempre com aquele espirito brincalhao e jovial, arrancou da casa da Palmira com uma velocidade, um tudo ou nada, excessiva. A proxima paragem era na casa da Cidalia, mais ou menos em frente a loja do Sr Pereira de Lemos e Parque Infantil. Ao chegar a casa da Cidalia, o Alexandre em vez de reduzir gradualmente a velocidade fez uma travagem brusca. Resultado: fomos todos jogados para a frente e o que levavamos nas maos estatelou-se no "chao" da carroceria. Foi uma algazarra, uma gargalhada geral, uma alegria. Mas... no meio de toda aquela algazarra, começou-se a ouvir alguem a chorar e em panico dizia: -Ai o prato!!! Ai a minha mae! O que e que eu lhe vou dizer?!!! O que e que eu faço?!!! O que vai se de mim?!!!Ela avisou-me tantas vezes para ter cuidado!... Quando nos apercebemos estava o prato estatelado no "chão" todo em pedaços e o pudim todo espapacado. Nos, naquela euforia dos nossos 15 anos, nao compreendemos o dilema da Palmira e respondiamos: -O prato e o menos, pena e o pudim tao bom que se perdeu! La fomos para o assalto onde eu e todos os outros nos divertimos imenso ate altas horas da noite. So a Palmira nao  desfrutou dessa alegria e sempre com um ar muito preocupado, volta que nao volta, punha a mao na testa e murmurava: -Ai a minha mae. O que e que eu lhe vou dizer?Eu nao tenho coragem e nem quero pensar! Quando a festa terminou, cada um recolheu os seus haveres e fomos para casa. No dia seguinte todos estavamos curiosos para saber como a Palmira se tinha saido com a mae. Pois é, a Palmira pregou uma mentirinha a mae dizendo que tinhamos de ir limpar a casa do Insp. Marques Monteiro e entao nessa altura traria o prato. Como acabou esta estoria, sinceramente ja nao me recordo, mas acredito que nao foi muito facil a Palmira enfrentar a verdade perante a mae. Alo Palmira, um grande abraco.

***********

Luís Monteiro Caro Ruca, como calculas li com emoção a tua relíquia uma vez que destino da tão falada relíquia (prato antigo) era a casa do meu pai. Nessa altura devia eu estar na Escola de Oficiais em Mafra e longe dos "assaltos" da tão alegre e tropical Angola (vim depois como alferes para N.Lisboa). Penso que também estaria lá a minha irmã Teresa e o meu irmão mais novo Carlos. Beijão a todos e avisem-me do próximo assalto.

Família Marinheiro Sousa


04 novembro 2011

AO MEU QUERIDO E DOCE BERÇO… CIDADE DO CUBAL

DIFERENCIAÇÕES EDUCACIONAIS / SEDE DE VIDA…

Disse um dia Aristóteles... não digo tudo o que penso, mas penso tudo o que digo. Um pensamento que sendo dum tempo que já vai longe, em que outros valores se impunham, é algo que devia ser aplicado na comunicação nos dias de hoje. Tantas são as razões que nos levam a procurar um outro ser com que comunicar, muitas delas, se calhar as mais válidas até, não se baseiam numa solidão explicita, mas numa solidão intelectual, onde nos vemos rodeados de imensas pessoas,algumas mais próximas outras nem tanto, que não partilham dos nossos valores, e onde uma conversa com mais de quatro frases já é um testamento, ou onde a idade mental ainda está em fase embrionária e ainda que mostrando grandes promessas futuras, não tem letras, palavras, sentimentos próprios da bagagem de quem já leva alguns anos de vida... ou apenas onde nem sequer existe um patamar comum onde as palavras simples de um diálogo sem tempo, sem hora, sem idade e sem cor, possa ser plantado... A comunicação é como a água que sacia a mente, aquece a alma e dá vida redobrada ao corpo.Divinal quando nos cruzamos com alguém que nos faz sentir cada uma das palavras que nos escreve quando as lemos, e sentir uma vontade incontrolável de ir a correr para uma tela branca e deixar correr todas essas sensações, numa mistura deliciosamente caótica de factos do dia-a-dia, com memórias de um tempo ido, temperado pelos sonhos por viver,mas não por isso menos sentidos.Nunca entendi o que nos faz sentir por um outro ser humano,mesmo que apenas linguisticamente, aquela vontade de brincar com as palavras, aquela vontade de partilhar o que tão poucos sabem, mas que ali, naquele instante e para alguém que desconhecemos conhecendo no entanto tão bem, queremos contar... Conseguir transmitir por palavras sentimentos e sensações a quem nos lê, e esboçar um sorriso ou soltar uma gargalhada ao lermos um texto escrito por alguém que desconhecemos mas que entendemos, ser delicioso... Sempre achei que a vida era feita de momentos, de pequenos instantes que fogem ao tempo, onde nesse contratempo algo nos faz sorrir, por tudo, mesmo sendo por nada, pode ser apenas porque ao olharmos por cima do ombro, entre mil e uma caras iguais que se cruzam por ruas impessoais, vislumbramos dois seres tão especiais que fugazmente trocam um beijo carregado de um amor que já leva bodas de ouro pintadas,pode ser apenas porque por alguma razão inexplicável, uma gota única de água, presa na última das pequeninas nuvens que mancha um céu azul imaculado nos cai exactamente na pontinha do nariz, pode ser uma lágrima perdida entre duas dunas da vida, ou um sorriso rasgado num abraço apertado, um carinho imenso dum amor desmedido, ou apenas uma flor selvagem, singela, que teima em romper num lugar inóspito e árido... é assim…. Tal como foi assim que esbocei um sorriso quando o li, primeiro devagar, depois ganhando forma, como o Bolero de Ravel, que começa por um sussurro e vai ganhando corpo nas notas que se vão cruzando, nos sons que se vão misturando, como um rio que desce pela encosta da montanha e acaba numa cascata que só de a olharmos perdemos o fôlego... porque desagua num lago singelo que a acolhe em silêncio... é assim que se deve ouvir Ravel, tal como é assim que se deve ler, quem assim escreve, na absorção de cada palavra… É destes momentos sem tempo, que saciamos a nossa sede de Vida, aquela vida que é semente, é amor descontrolado, é rei sem trono, que se bebe sem nunca ficar saciado... faço uma pausa, e meio na diagonal atravesso as palavras que escrevo… prefiro não pensar se estão correctamente colocadas nas frases, prefiro não reler,porque certo é que quando relemos o que deixámos a Alma Rainha seus servos os dedos num corridinho ditar, decerto não passaria a censura de seu irmão, o Rei Razão, com sua certeza incerta tal ditame autorizar... brinco com as palavras, não com o sentido delas, deixo correr o pensamento, brincalhão, entre a crista de duas ondas que teimam em bater no mesmo areal, que teimam em agarrar a mesma estrela, e que na sua euforia trocam dois sorrisos dois olhares tímidos e dois momentos. Afinal a vida tem poucas certezas, e dessas, menos ainda acabam por justificar esse atributo, mas existe sempre aquele algo que é intocável, que nos faz sob qualquer circunstância esboçar um sorriso, que indiferente à intempérie permanece inócuo, tão certo como o céu que paira sob a nossa cabeça e ao mesmo tempo tão grande que não é dimensionável. Todos temos essa certeza, o nosso pequeno happy thought que podemos usar sem peso nem medida... isso sim faz deste mundo um Wonderful World", já dizia o Louis... e assim te digo a ti play it again SAM”... A minha janela estará sempre aberta para te ler... os meus dedos livres para te escrever, com a certeza que podendo não dizer tudo o que penso, penso, e sinto tudo o que escrevo…
*EduardoAFlórido.